Radio Atlântida

sexta, 05 abril 2019 09:13

Cerca de 20% da população pode desenvolver depressão, afirma psiquiatra

Ao longo da vida, cerca de 20% da população pode desenvolver depressão, sendo uma doença muito frequente. A afirmação é do médico psiquiatra, João Coelho, que falava, à Atlântida, no âmbito do Dia Mundial da Saúde, que se assinala, domingo, e que tem como tema, este ano, a depressão. 

O especialista do hospital de Ponta Delgada salienta, ainda, que uma em cada cinco pessoas “tem, teve ou vai ter depressão”. 

 

 “Podemos dizer que, ao longo da vida, aproximadamente 20% das pessoas pode ter uma perturbação depressiva, ou seja, um em cada cinco tem, teve ou vai ter depressão e, portanto, é uma doença muito, muito frequente”, revelou o psiquiatra. João Coelho acrescentou que “ela pode ocorrer em todas as fases da vida e, geralmente, o início dos quadros depressivos é por volta do início da idade adulta, ou um pouco mais cedo, na adolescência”, adiantando que “aproximadamente 50% das pessoas com perturbações depressivas não procuram ajuda, porque não sabem identificar os sinais e sintomas”. 

  

O psiquiatra defende que, muitas vezes, as pessoas encontram ajuda, mas esta “não é providenciada na qualidade e na quantidade que seria necessária”.

 

A depressão é uma “doença multifatorial”, sendo difícil identificar uma causa específica, adiantou o médico, referindo que sabem, apenas, que existe causas “tanto componentes genéticas e familiares, como ambientais”. 

 

Humor deprimido e perda de interesse, do prazer e da motivação nas atividades diárias associados a ansiedade, fadiga, sensação de culpa ou desvalorização pessoal, irritabilidade, alterações a nível cognitivos ou alterações a nível de sono e de apetite são alguns dos sintomas que as pessoas apresentam com aquela patologia.

 

João Coelho refere que os casos mais severos são quando os doentes têm ideias frequentes para a morte e para o suicídio, tendo, assim, a probabilidade de ter outras doenças, como diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, entre outras.

 

O médico especialista afirma que hoje em dia há formas adequadas para se tratar a depressão, “usando não apenas medicação antidepressiva”, mas havendo contacto com profissionais em saúde mental. O especialista diz, ainda, que a maioria dos casos de depressão acaba por se resolver, embora, em algumas situações, seja necessário a ajuda adequada para solucionar a doença. 

 

Sobre os tipos de depressão, João Coelho diz que há “as mais melancólicas”, em que as pessoas têm o “humor mais deprimido” e, por outro lado, há uma depressão “tendencialmente mais ansiosa”, em que predomina “a sintomatologia mais ansiosa, com nervosismo, crises de ansiedade e de pânico”. 

 

Quanto ao diagnóstico, o psiquiatra diz que é “clínico”, ou seja, é feito por um médico e que tem por base a história que o doente lhe dá e os sinais e sintomas que o utente apresenta.

 

No âmbito deste dia, o médico deixa uma mensagem.

 

 “A depressão é uma doença muito frequente, não há que ter vergonha de se falar disso, nem há necessidade de se esconder esses sinais e sintomas, pelo contrário, é falando sobre essas temáticas que elas vão ficando mais corriqueiras e as pessoas vão sabendo que não há, realmente, problema em falar sobre isto”, disse o médico, acrescentando que “pelo contrário, é a falar-se disto que começamos a tratar, falando com os amigos, com os familiares e entre pares e quando as coisas começam a extravasar a capacidade de ajuda das redes de apoio familiar e social, então, tem-se de procurar ajuda médica”. 

 

Ter um estilo de vida saudável e ter uma boa rede de suporte quer social, quer familiar são algumas das formas de prevenir a depressão.

 

O Dia Mundial da Saúde comemora-se, domingo, e, este ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) chama a depressão para a agenda dos profissionais de saúde e da população em geral.

 

Segundo os dados da OMS, a depressão atingia, em 2015, 322 milhões de pessoas no mundo.

 

A OMS adianta, ainda, que, de 2005 a 2015, a prevalência da doença, em termos globais, cresceu 18,4%, explicando que este aumento reflete o crescimento da população e, também, o seu envelhecimento.

 

A nível global, 4,4% das mulheres tem tendência para ter depressão, enquanto a propensão nos homens é de 3,6%.

Informação Adicional

  • Fonte: Rádio Atlântida
 

 

Destaques

  • 1
  • 2
  • 3
 

Top Atlântida

1. MAROON 5
Girls Like You
2. DAVID GUETTA feat. SIA
Flames
3. IMAGINE DRAGONS
Natural
4. LADY GAGA feat. BRADLEY COOPER
Shallow
5. CALVIN HARRIS feat. SAM SMITH
Promises
6. CHEAT CODES feat. LITTLE MIX
Only You
7. LAUV
I like me better
8. TOM WALKER
Leave a light on
9. FREYA RIDINGS
Lost Without You
10. VITOR KLEY
O Sol

Últimas Notícias

 

Live Cam

Inquérito Atlântida

Já alguma vez doou sangue?

 

Pedido de Informações:

Contactos:

  (+351) 296201910
    (+351) 917209720
    (+351) 963232222
  geral@radioatlantida.net

Morada:

Rua Bento José Morais
nº23, Andar: 5º Sul
9500-772 Ponta Delgada
São Miguel – Açores