Imprimir esta página
quarta, 19 dezembro 2018 17:46

Governo dos Açores está empenhado em avançar com obra de requalificação do Porto das Pipas, assegura Ana Cunha

Governo dos Açores está empenhado em avançar com obra de requalificação do Porto das Pipas, assegura Ana Cunha Gacs

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas assegurou hoje, em Angra do Heroísmo, que a apresentação do anteprojeto de construção da rampa para navios ‘ro-ro’ e ‘ferry’ e de obras complementares para a melhoria da operacionalidade e de abrigo no Porto das Pipas demonstra que o Governo dos Açores está empenhado em requalificar esta infraestrutura.

 

Para Ana Cunha, a apresentação deste anteprojeto é “a demonstração inequívoca da determinação e do empenhamento do Governo dos Açores em avançar com esta obra, que irá contribuir para o desenvolvimento da cidade e do concelho de Angra do Heroísmo, assim como para o reforço das ligações marítimas com outras ilhas do Grupo Central”.

 

A Secretária Regional salientou que o anteprojeto ”resulta de um sustentado processo de análise técnica”, que foi "orientada para encontrar a melhor solução para a requalificação e valorização desta infraestrutura portuária, proporcionando-lhe melhores condições de operacionalidade e de segurança”.

 

  

A titular da pasta das Obras Públicas frisou que esta obra insere-se “na estratégia que tem vindo a ser preparada para a política de transporte marítimo na Região, na qual se incluem a requalificação e modernização das infraestruturas portuárias, designadamente a construção de rampas 'ro-ro' para navios ferry”.

 

Na sua intervenção na apresentação deste anteprojeto, Ana Cunha referiu que, "com a execução da rampa 'ro-ro' no Porto de Pipas concluiremos o ciclo de construção deste tipo de infraestrutura portuária na Região".

 

"No total, teremos 14 rampas 'ro-ro' em 11 portos e em oito das nove ilhas dos Açores”, acrescentou.

 

Ana Cunha frisou, no entanto, que esta obra "não se cinge à construção de uma rampa 'ro-ro', já que será também aumentada a frente acostável deste porto, sendo ainda reforçada a capacidade de amarração existente, o que permitirá acolher navios de cruzeiro temáticos e afirmar esse importante mercado 'premium' do turismo de cruzeiros nesta cidade Património Mundial da UNESCO”.

 

A Secretária Regional acrescentou que “será reconstruído o muro de cortina situado na cabeça do molhe, reforçando as condições de segurança da infraestrutura portuária, além da intervenção no cais de receção da marina, que verá a sua plataforma ampliada no sentido sul para permitir o seu uso durante todo o ano por parte embarcações com calado até aos -3.00 metros".

 

"O arranjo espacial dos pontões da marina também será otimizado, de modo a aumentar a quantidade de postos de atracação destinados a embarcações de recreio”, adiantou.

 

“Com este projeto, vamos melhorar a operação de navios 'ro-ro' de passageiros, garantir condições acrescidas para a escala de navios de cruzeiros temáticos e de ‘expedição’, cuja frota, no horizonte de uma década, deverá aumentar em cerca de 40 unidades, e proporcionar um serviço de qualidade às embarcações de recreio que demandam Angra do Heroísmo”, afirmou Ana Cunha.

 

A Secretária Regional referiu ainda que a aposta do Governo dos Açores nas várias vertentes da denominada 'economia azul' tem aqui "mais um sinal evidente da sua expressão concreta, ao dotar o Porto de Pipas de melhores condições para responder à evolução do transporte de passageiros e mercadorias, bem como para captar e fidelizar novos nichos de mercado e potenciar a náutica de recreio, em benefício do desenvolvimento económico do concelho de Angra do Heroísmo e da ilha Terceira”.

 

Agora, acrescentou, “segue-se a fase de desenvolvimento do projeto de execução”, prevendo-se que fique concluída durante o mês de fevereiro, "após o que decorrerão os trâmites necessários ao lançamento do concurso da empreitada”.

 

Ana Cunha adiantou ainda que “a orçamentação final da obra e o seu prazo de construção depende da conclusão do projeto de execução”, embora se possa já estimar “um investimento global da ordem dos 12 milhões de euros e um prazo de execução de 18 meses”.

Informação Adicional

  • Fonte: Gacs

Itens relacionados