Imprimir esta página
sexta, 29 dezembro 2017 15:47

SDPA confirma greve para a próxima semana

SDPA confirma greve para a próxima semana Rádio Atlântida

O Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA) vai mesmo avançar com uma greve de três dias em janeiro, segundo confirmou hoje em conferencia de imprensa o presidente do sindicato.

 

José Gaspar alegou a indisponibilidade do Governo Regional dos Açores em procurar resolver, em concertação com aquela estrutura sindical, os problemas da classe docente dos Açores.

 

O sindicalista afirmou que o  Governo Regional não “quis evitar a greve” e está a “prolongar a austeridade”.

 

“Não houve qualquer abertura da parte do Governo Regional para discutir as matérias que estão aqui em causa e, portanto, a greve materializa-se sob a responsabilidade do Governo Regional que não a quis, de todo, evitar. Aquilo que, efetivamente, estamos aqui a prolongar - se quisermos falar de prolongamento -  não é do prolongamento que vai acontecer em janeiro. O que estamos aqui a falar é do prolongamento da austeridade. O que este governo se prepara para fazer, em relação aos professores,  é prolongar a austeridade, é prolongar os efeitos da austeridade e, aquilo que vai acontecer a partir de janeiro é, precisamente, o prolongamento desta situação que se viveu nos últimos sete anos e que vai ser prolongada. Acrescentou que “os prejuízos que resultaram do congelamento das progressões, vão prolongar-se no tempo, com uma situação de maior gravidade nos Açores, porque o desfasamento nas progressões é maior - estamos a falar, aqui, de 10 anos - e juntamos a estas questões, todas as outras questões que estão pendentes”, refere o sindicalista. 

  

O dirigente referiu, ainda, que aguardou pelo contacto da tutela para que pudessem negociar,  e que este não o fez,  frisando que o sindicato não tomou a iniciativa de fazer os contactar, porque esta “deveria partir do executivo regional”.

 

O secretário regional da Educação e Cultura considerou esta quinta-feira que o Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA) confundiu uma greve com um “prolongamento de férias”, ao agendar uma paralisação de 3 a 5 de janeiro.

 

Em resposta José Gaspar explica que em janeiro será implementada uma carreira que passa a ter a duração de 44 anos. 

 

“A partir de janeiro do próximo ano, os professores vão passar a viver, em termos profissionais, uma carreira de 44 anos que vão estar desfasadas 10 anos em relação àquilo que devia ser o seu posicionamento. Significa que, a partir de janeiro, vão ter perdas remuneratórias significativas, na ordem das centenas de euros, a cada mês que passar nas suas remunerações. Por isso, entende o SDPA, não termos tempo para esperar, nem termos que esperar por qualquer outro processo e, portanto, ser a altura de, necessariamente, expressarmos o nosso descontentamento e a nossa manifestação desse descontentamento, em janeiro de 2018”, disse. 

 

José Gaspar diz, ainda, que o executivo regional em vez de estar empenhado na  resolução dos problemas dos professores  e do educadores de infância dos Açores está empenhado em criticar as ações e iniciativas do SDPA” e que seria preferível o empenhamento na resolução dos problemas daqueles  profissionais”.

Informação Adicional

  • Fonte: Rádio Atlântida

Itens relacionados